»Geral - Panambi News

Guerrero perde pênalti no fim e Inter só empata com o Athletico-PR no Beira-Rio

Guerrero errou pênalti e teve gol anulado pelo VAR no empate em 1 a 1 no Beira-Rio | Foto: Fabiano do Amaral
Guerrero errou pênalti e teve gol anulado pelo VAR no empate em 1 a 1 no Beira-Rio | Foto: Fabiano do Amaral

Inferior no primeiro tempo, Colorado melhora na etapa final, vê VAR anular gol e fica no 1 a 1 em reencontro com algoz da final da Copa do Brasil

O Inter não fez bom primeiro tempo, mas conseguiu sair na frente do Athletico-PR, que igualou o placar ainda na etapa inicial. No entanto, reagiu e melhorou a produção ofensiva. Viu Guerrero errar pênalti e o VAR anular o gol que seria o da vitória. Assim, ficou no 1 a 1 no reencontro com o algoz da final da Copa do Brasil, na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio.

Rodrigo Lindoso abriu o placar, em belo gol por cobertura, que também teve participação (demorada) do VAR para ser confirmado. O gol do Athletico-PR foi marcado por um velho conhecido da torcida colorada. Rony, que já havia feito na final da Copa do Brasil, empatou e decretou o placar.

Com o resultado, o Inter fica na 6ª colocação, com 46 pontos, um a menos que o rival, Grêmio. Fica, ainda, três pontos distante do São Paulo, primeira equipe dentro do G4 do Brasileirão. Agora, tudo é Gre-Nal para o Colorado. No domingo, às 18h, a equipe de Zé Ricardo enfrenta o Grêmio, na Arena, no clássico 422. O jogo é válido pela 30ª rodada do Brasileirão.

Inter marca, mas cede o empate

O Inter iniciou mais uma vez com Guilherme Parede entre os titulares. Patrick, que também era dúvida no time de Zé Ricardo, começou entre os 11. Já o Athletico-PR começou com vários jogadores que estiveram em campo na final da Copa do Brasil. Caso dos atacantes Marco Rúben, Rony e do meia Nikão.

Quem abriu o placar foi o Inter. Aos 11 minutos, Paolo Guerrero enfiou boa bola para Rodrigo Lindoso. O volante saiu na cara de Santos, e teve categoria para encobrir o goleiro do Athletico-PR e fazer o 1 a 0. Após muita demora (mais de 6 minutos), momento em que o árbitro ouviu o VAR sobre uma possível posição irregular de Lindoso, o gol foi confirmado.

O time visitante, contudo, não sentiu o gol. Manteve a posse da bola e criou boas oportunidades pelos lados do campo. E foi justamente pela ala que a equipe de Tiago Nunes construiu seu gol de empate. Aos 22 minutos, Madson levou vantagem sobre Zeca, que ficou caído no lance. Ele cruzou para área e lá estava Rony que, de novo, marcou contra o Inter. Na comemoração, o atacante inclusive repetiu o gesto após marcar o gol da vitória na final da Copa do Brasil.

Melhor no jogo, o Athletico-PR teve pelo menos duas boas chances de virar. A melhor delas em uma bela enfiada de bola de Rony para Nikão. O jogador tirou do goleiro Marcelo Lomba, mas finalizou fraco, e deu tempo da zaga do Inter afastar antes de a bola chegar perto da linha. Depois, Madson ganhou de Patrick na corrida e achou Nikão, que bateu de fora da área para Lomba espalmar e garantir o 1 a 1 no primeiro tempo.

Os números demonstraram a superioridade do Athletico-PR no primeiro tempo. O Colorado até teve mais posse de bola, com 55% a 45%. No entanto, foram cinco finalizações dos paranaenses contra apenas três do Inter. Em todas, o Athletico levou mais perigo que o Inter em suas conclusões.

VAR entra em ação em fim de jogo movimentado

No segundo tempo, o Athletico-PR manteve a disciplina tática da etapa inicial. O Inter, por sua vez, pouco conseguia fazer para furar o bloqueio. Nos primeiros 15 minutos, esbarrou na defesa bem postada, o que gerou bronca da torcida. O time de Zé Ricardo não conseguia imprimir velocidade nem ocupar o campo adversário, tocando demais a bola no próprio setor defensivo.

Aos 16 minutos, Zé Ricardo apostou em Wellington Silva para tentar mudar o cenário do jogo. O Beira-Rio ficou dividido, entre vaias e apoio ao jogador que deixou o campo, Patrick. Três minutos depois, o Inter criou boa chance com D'Alessandro. Edenilson puxou contra-ataque e achou D'Alessandro pelo meio. De fora da área, o meia bateu por cobertura, e a bola tocou caprichosamente no travessão, quase marcando outro golaço na noite de quinta-feira no Beira-Rio.

A partir daí, o Inter melhorou no jogo. Criou boas chances de ampliar, primeiro com Guilherme Parede e depois com Rodrigo Lindoso, em belo chute de primeira após rebote que sobrou da entrada da área, afastado pela defesa do Athletico-PR. No lance, o Inter reclamou de um pênalti fora da jogada, não marcado pelo árbitro.

Aos 36 minutos, um dos lance-chave em um fim de jogo eletrizante. Após finalização dentro da área, a bola bateu no braço de Márcio Azevedo. Depois de consultar o VAR, com muita demora de novo, o árbitro confirmou o pênalti. O atacante Paolo Guerrero bateu, mas Santos defendeu e mandou para escanteio.

Na sequência do lance, após a cobrança, Guerrero marcou. No entanto, novamente o árbitro de vídeo entrou em ação. E flagrou a posição irregular de Nico López. Na origem da jogada, a bola sobra para o atacante, que finalizou em impedimento, bem adiantado. O árbitro anulou o lance, e o Inter pouco reclamou, já que o próprio uruguaio reconheceu a posição irregular. Mesmo com nove minutos de acréscimo após as paralisações, não houve tempo para tirar o 1 a 1 do placar.

Campeonato Brasileiro - 29ª rodada

Inter 1

Marcelo Lomba; Heitor, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Zeca; Rodrigo Lindoso, Edenílson, D'Alessandro, Patrick (Wellington Silva) e Guilherme Parede; Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

Athletico-PR 1

Santos; Khellven, Thiago Heleno, Léo Pereira e Adriano; Wellington, Bruno Guimaraães, Bruno Nazário, Nikão e Rony; Marco Rúben. Técnico: Tiago Nunes

Gols: Rodrigo Lindoso (11/1T); Rony (22/1T)

Cartões amarelos: D'Alessandro, Heitor e Cuesta (Inter); Nazário e Márcio Azevedo (Athletico-PR)

Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)

Correio do Povo

Matéria publicacada em 01/11/2019
COMPARTILHE ESTA PÁGINA
» Arquivo de Notícias
O panambinews.com é totalmente contrário a prática de cópias não autorizadas de conteúdo, matérias e fotos ( violação de direitos autorais ) e também não autoriza a reprodução de seu conteúdo em outros sites, portais ou ainda em mídia impressa, a não ser sob autorização escrita e certificada. Podendo apenas compartilhar nas redes socias preservando as informações, links e créditos originais.