»Geral - Panambi News

USP retira coágulo de artéria no cérebro e devolve movimentos a vítimas de AVC

Foto: Cláudio Oliveira / EPTV
Foto: Cláudio Oliveira / EPTV

Cateterismo cerebral em vítimas de AVC está sendo realizado no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto 

Cientistas adjuntos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto desenvolveram uma técnica eficaz na redução de quase a totalidade das sequelas de vítimas do AVC, como a paralisia facial e a perda de movimentos do corpo.

Conhecido popularmente como cateterismo cerebral, o tratamento basicamente desentope artérias obstruídas do cérebro cerca de 24 horas após os primeiros sintomas. Tal método foi aprovado previamente pela Anvisa.

“Com o tratamento endovascular, às vezes, a gente vê respostas dramáticas. Pacientes que ficariam sequelados pelo resto da vida voltam a andar com esse tratamento. Então, é uma alternativa terapêutica muito interessante”, informou o neurologista Octávio Pontes Neto, da USP.Octávio diz que o procedimento consiste em “introduzir um microcateter em uma artéria na perna do paciente que avança até a área entupida do cérebro”; neste local, há um coágulo que impede a circulação sanguínea. O microcateter aspira e remove o coágulo com um dispositivo chamado stent, um desobstruidor de vasos.

De acordo com o pesquisador, a técnica é bastante eficiente e pode remover até 80% dos vasos sanguíneos comprometidos, sendo mais eficaz que o atual tratamento convencional, com medicação receitada que dissolve os coágulos formados no cérebro, causadores do AVC.

No entanto, o quão eficiente será o tratamento depende da gravidade da lesão e do tempo em que ocorreu. Octávio explica que quando um AVC ocorre, os neurônios sofrem com a falta de oxigênio e morrem a uma taxa de 1,9 milhão por minuto (um cérebro saudável têm 100 bilhões de neurônios).“É como se fosse uma fogueira queimando um canavial e a gente tem que correr, como um bombeiro, tentando apagar o incêndio, tentando abrir a artéria o mais rápido possível para restaurar o fluxo sanguíneo para o cérebro”, diz.

O sucesso do procedimento depende ainda de um fluxo colateral constante, isto é, que outras artérias estejam levando sangue à área do cérebro afetada pelo Acidente Vascular Cerebral. Por fim, é necessário que o infarto tenha sido identificado em seu estágio inicial.“Não é qualquer paciente com AVC isquêmico, mas aquele que tem oclusão de uma grande artéria do cérebro, em que a gente não consegue desentupir só com remédio na veia. Então, muitas vezes, além de receber o remédio, vai ser submetido a esse cateterismo”, conclui.

[Nota da Redação]

Entramos em contato com a faculdade, e estamos esperando retorno sobre como as pessoas podem procurar o tratamento.Fonte: Só Notícia Boa-POR REDAÇÃO RPA

Matéria publicacada em 23/02/2020
COMPARTILHE ESTA PÁGINA
» Arquivo de Notícias
O panambinews.com é totalmente contrário a prática de cópias não autorizadas de conteúdo, matérias e fotos ( violação de direitos autorais ) e também não autoriza a reprodução de seu conteúdo em outros sites, portais ou ainda em mídia impressa, a não ser sob autorização escrita e certificada. Podendo apenas compartilhar nas redes socias preservando as informações, links e créditos originais.