»Geral - Panambi News

Megaoperação transfere 18 líderes de facções no RS para prisões federais

Presos foram vendados para não observar como era feita a transferência | Foto: Guilherme Testa
Presos foram vendados para não observar como era feita a transferência | Foto: Guilherme Testa

Ação contou com a participação de mais de 1 mil agentes

Eram 6h20min desta terça-feira quando começaram a ser transferidos 18 presos, considerados líderes de organizações criminosas do Rio Grande do Sul, dando início a Operação Império da Lei. Os detentos saíram em comboio até um local conhecido como Parcão, em Charqueadas, situado a sete minutos do complexo prisional.

Foram empregados na ação 1,3 mil agentes federais e estaduais, 306 viaturas e sete aeronaves, sendo seis helicópteros e um avião. Após quase duas horas de remoção, os detentos foram levados para a Base Aérea de Canoas, onde foram colocados em um avião da Polícia Federal.

De acordo com a Base Aérea, o transporte dos presos foi concluído.

Rotina alterada

A rotina da população de Charqueadas mudou com a transferência de 18 presos para presídios federais. Parte da área perto do Centro foi interditada. Uma fila com integrantes do 1º Batalhão de Choque garantia a segurança da remoção dos presos até os helicópteros. Algemados e com uma espécie de óculos com lentes escuras, os detentos iam até a aeronave, onde eram acomodados. Um PM ficou no estribo do helicóptero até a Base Aérea.

O vice-governador e secretário de segurança do Rio Grande do Sul, Ranolfo Vieira Júnior, esteve tanto na saída do comboio da penitenciária modulada quanto no embarque dos detentos. Falando rapidamente com a imprensa, Vieira Júnior disse que operação foi um sucesso. "O problema é segurar a rua", comentou em uma alusão aos problemas que podem surgir com a transferência dos detentos, co.o atos de vandalismo.

A operação foi organizada pelas secretarias da Segurança Pública (SSP) e da Administração Penitenciária (Seapen). Pela União, a partir da determinação do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, a ofensiva teve o apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) da Secretaria de Operações Integradas (Seopi). Integrantes das polícias federal e Rodoviária Federal, e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Exército, Aeronáutica e Marinha do Brasil participaram da transferência. Correio do Povo

 

Matéria publicacada em 03/03/2020
COMPARTILHE ESTA PÁGINA
» Arquivo de Notícias
O panambinews.com é totalmente contrário a prática de cópias não autorizadas de conteúdo, matérias e fotos ( violação de direitos autorais ) e também não autoriza a reprodução de seu conteúdo em outros sites, portais ou ainda em mídia impressa, a não ser sob autorização escrita e certificada. Podendo apenas compartilhar nas redes socias preservando as informações, links e créditos originais.