»Geral - Panambi News

Moradores fazem caminhada para pedir respostas sobre contadora desaparecida

pai de Sandra, Agileu Trentin, 71 anos, caminhou segurando uma rosa e um cartaz com os dizeres “Apenas uma flor”. FOTOS - Cristiane Luza
pai de Sandra, Agileu Trentin, 71 anos, caminhou segurando uma rosa e um cartaz com os dizeres “Apenas uma flor”. FOTOS - Cristiane Luza

Ato marcou o Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta quinta-feira

Amigos, conhecidos e familiares de Sandra Mara Lovis Trentin, 48 anos, se uniram em passeata na manhã do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, para pedir celeridade nas investigações que apuram o que aconteceu com a contadora, sumida desde 30 de janeiro deste ano.

Com cartazes, faixas e camisetas estampadas com fotografias de Sandra, o grupo percorreu a avenida 20 de Março até a Igreja Santa Maria Goretti, em Boa Vista das Missões, onde ela morava com as três filhas menores e o marido, Paulo Ivan Landfeldt, presidente da Câmara de Vereadores do município. No trajeto, gritos por justiça, pedidos por informações sobre seu paradeiro e orações voltadas ao esclarecimento do caso. “Por que tanta demora da Justiça em nos dar uma luz sobre o que está acontecendo?”, questionou uma das organizadoras do ato, Rosana Magalhães Zambon, que atuou ao lado de Sandra na Liga Feminina de Combate ao Câncer, entidade para a qual a contadora prestava serviço voluntário. “Hoje as pessoas perguntam, por que você está fazendo isso? Não tem como não fazer. É uma de nós que não está aqui, faz muita falta e queremos respostas”, explicou Rosana.

Vindo de Cruz Alta, o pai de Sandra, Agileu Trentin, 71 anos, caminhou segurando uma rosa e um cartaz com os dizeres “Apenas uma flor”, segundo ele, representando a filha. “Hoje o que eu mais quero é a Sandra. O resto, quem foi, se não foi, vemos depois. Preciso que as autoridades deem uma resposta para nós sobre onde ela está, como é que se encontra. Tem pessoas que sabem, então peço encarecidamente que nos digam o que aconteceu com ela. Eu ainda acredito que esteja viva, mas se não estiver, que a gente possa lhe dar um sepultamento digno”, comentou emocionado. Seu último contato com a filha foi na manhã de 30 de janeiro, por mensagem via WhatsApp. “Depois disso, eu mandei mensagem todos os dias, embora soubesse que não teria resposta”, contou Agileu.

Sandra foi vista pela última vez em Palmeira das Missões, para onde se dirigiu a fim de resolver problemas de trabalho. Sua caminhonete estava abandonada na rua Rio Branco e embora não apresentasse sinais de violência, encontrava-se revirada, relatou o filho mais velho de Sandra, Rômulo Trentin, 26 anos, fruto de outro relacionamento.

Preso muda versão dada à polícia

Nesta semana, a Polícia Civil divulgou que o Judiciário concedeu prazo de mais 30 dias para conclusão do inquérito que apura a motivação e o que aconteceu com Sandra.

Até o fechamento desta matéria, seguiam na cadeia os dois presos investigados por envolvimento no desaparecimento, entre eles o marido de Sandra. O rapaz de 22 anos preso em Santa Catarina, que falou anteriormente que recebeu dinheiro para matá-la e ocultar o corpo, inocentou Paulo Ivan em novo depoimento, embora tivesse o apontado como mandante.

Desta vez, sustenta que ouviu falar sobre o caso e procurou o vereador para extorqui-lo. Policiais e bombeiros chegaram a fazer buscas na zona rural de Vicente Dutra, onde o cadáver supostamente teria sido deixado, mas não a localizou viva ou morta. Cristiane Luza/Folha Noroeste


Matéria publicacada em 09/03/2018
COMPARTILHE ESTA PÁGINA
» Arquivo de Notícias
O panambinews.com é totalmente contrário a prática de cópias não autorizadas de conteúdo, matérias e fotos ( violação de direitos autorais ) e também não autoriza a reprodução de seu conteúdo em outros sites, portais ou ainda em mídia impressa, a não ser sob autorização escrita e certificada. Podendo apenas compartilhar nas redes socias preservando as informações, links e créditos originais.