»Geral - Panambi News

Mais de 10 mil frangos morrem após interrupção de energia

Situação se soma aos prejuízos já contabilizados na região por desabastecimento

De longe, o mau cheiro e os corvos sobrevoando a propriedade dão ideia do que está por vir mais à frente. Ao abrir as portas do aviário, o agricultor Joceli Magri, 47 anos, mostra o motivo de sua preocupação desde a tarde da última quarta-feira, 30 de janeiro: entre 10 e 12 mil frangos mortos, em meio aos animais sobreviventes, carcaças do empenho da família por uma vida melhor no interior do pequeno município de Vista Alegre, no Norte do Rio Grande do Sul.

As interrupções de energia elétrica são constantes –, conta. Com a voz embargada e os olhos marejados, fala sobre o esforço diário para manter no campo, mais precisamente na linha Ponte do Pardo, a residência na qual moram seis pessoas – ele, a esposa, seus dois filhos menores e os sogros idosos –, além do desapontamento por pagar as contas em dia e a concessionária não lhe dar a chance de se preparar. Não tendo recebido aviso prévio sobre o desabastecimento temporário ocorrido entre 13h30 e 19h daquele dia e com o gerador no conserto, o investimento de cerca de R$ 500 mil e o prazo restante até a semana seguinte para entregar os frangos a um frigorífico da cidade de Miraguaí, distante cerca de 50 quilômetros, lhe abalaram. “Sem energia elétrica, meu investimento se torna inútil, dependo muito dela. Fico até dois dias sem. Litros de leite jogados fora, agora esse transtorno com os frangos, que precisam ficar em ambiente refrigerado a 23ºC. Naquela tarde, a temperatura girava em torno dos 40ºC... Sem contar o psicológico da gente, fiquei sem rumo. Hoje de manhã não tinha nem vontade de levantar para vir ver o aviário, o que antes era uma alegria. Não temos segurança de nada. Queremos ficar na propriedade, mas fazer o que aqui? Pensei até em vender tudo e ir embora. É revoltante, isso não pode acontecer”, desabafou o agricultor em entrevista ao meio-dia de ontem, a pausa que a família fez na atividade de remover os cadáveres de frangos do local e enterrá-los. Eram tantos que planejavam sair em busca de ajuda para a tarefa à tarde, antes que o odor da decomposição se tornasse insuportável.

Com a morte de outros 400 frangos dos 18 mil na semana passada, também por interrupção de energia elétrica, mais os desta, a expectativa de renda ficou prejudicada. A criação de aves corresponde a, aproximadamente, 70% dos ganhos, o restante é complementado com a atividade leiteira, o plantio de fumo e a produção de silagem. “Se for entrar na Justiça, são seis ou sete anos esperando ressarcimento, mas eu preciso do dinheiro agora, vamos fazer o quê? Tem que levantar a cabeça e continuar, parar é pior”, considera Magri, que conta com o auxílio de um técnico do frigorífico e um veterinário para fazer os laudos e poder contabilizar os prejuízos.

Justificativa da concessionária

Contatada, a Rio Grande Energia (RGE) respondeu que a falta de energia na quarta-feira nas regiões de Palmitinho e Vista Alegre ocorreu em razão do desligamento para obras de manutenção programada da rede elétrica, com a troca de 14 postes de madeira por concreto e instalação de um novo transformador.

Mobilização por melhorias no setor

Em 10 de janeiro deste ano, o Ministério Público instaurou inquérito para apurar a causa das constantes quedas de energia em municípios da região. Foi depois de um apagão que durou mais de quatro horas, prejudicando empresas, órgãos públicos e consumidores em geral. Até o fechamento desta edição, o órgão seguia aguardando resposta da RGE sobre as interrupções do serviço.

Na manhã de ontem, a Associação Comercial, Industrial e de Prestação de Serviços (ACI) de Frederico Westphalen divulgou que teve reunião para tratar sobre a necessidade de comunicados antecipados de desligamento com representantes da companhia, responsável pela distribuição elétrica em 65% dos municípios do Estado.

Recentemente, empresas da área central tiveram prejuízos e transtornos com o corte de energia por mais de cinco horas, em pleno horário comercial. “A direção da ACI-FW definiu que irá mobilizar forças para cobrar da distribuidora de energia melhorias na estrutura, evitando apagões e, também, que os serviços que exigem desligamentos na rede sejam comunicados com antecedência e realizados prioritariamente fora do horário comercial”, informou a entidade, que ainda anunciou que vai se unir à Associação dos Municípios da Zona da Produção (Amzop) para solicitar resolução dos problemas que afetam o abastecimento. Folha Noroeste.com/Cristiane Luza

 

Matéria publicacada em 01/02/2019
COMPARTILHE ESTA PÁGINA
» Arquivo de Notícias
O panambinews.com é totalmente contrário a prática de cópias não autorizadas de conteúdo, matérias e fotos ( violação de direitos autorais ) e também não autoriza a reprodução de seu conteúdo em outros sites, portais ou ainda em mídia impressa, a não ser sob autorização escrita e certificada. Podendo apenas compartilhar nas redes socias preservando as informações, links e créditos originais.